Como funciona um simulador de queda livre? Entenda em 6 passos

->->Como funciona um simulador de queda livre? Entenda em 6 passos

 

Muitas pessoas ainda não conhecem o paraquedismo indoor e as sensações que essa prática proporciona para seus adeptos. O simulador de queda livre é o que proporciona a prática do paraquedismo Indoor (Indoor Skydiving). Esse esporte relativamente novo no Brasil, ainda necessita de muita divulgação para ser popularizado, porém já possui muitos praticantes.

Além do desconhecimento da prática, muitas pessoas nem imaginam que é possível ter as mesmas sensações de um salto de paraquedas tradicional, porém com mais acessibilidade do que o salto tradicional, já que aqui as restrições são poucas e todo o processo é controlado pela mais alta tecnologia.

E você faz ideia de como um simulador de queda livre funciona na prática? Leia até o final do artigo para aprender em 6 passos!

Passo 1: o túnel de vento

Normalmente, dependendo do fornecedor do serviço de paraquedismo indoor, tudo começa em um túnel de vento com 17 metros de altura, onde a velocidade do ar supera os 250 km/h.

Passo 2: o fluxo de ar dentro do túnel

Esse túnel é composto de turbinas na parte inferior, com um sistema de homogeneização do vento. Para que o vento tenha força suficiente para manter o atleta voando, é necessário que uma espécie de funil ajude na compressão do ar durante sua entrada na câmara de voo.

Passo 3: a preparação para o voo

Antes de voar, é necessário que quaisquer acessórios, como relógios, brincos e colares, sejam retirados. Só então o macacão e óculos de proteção serão vestidos, bem como os protetores auriculares e o capacete.

Quando todos estiverem prontos, o simulador de queda livre começará a funcionar graças ao túnel de vento, e então será o momento de saltar. Assim como em qualquer outro esporte, é recomendado que se faça uma refeição leve antes de realizar os saltos, para ter energia na hora do voo.

Passo 4: instruções para o salto

Após a preparação ser feita corretamente, é hora de ouvir as recomendações dos instrutores em relação à segurança, além da comunicação usada durante o salto e instruções para aproveitar melhor cada momento.

Para que a experiência funcione perfeitamente, é fundamental fazer o treino prático para garantir que tudo foi entendido e será bem executado durante o salto. Após toda a preparação, a aula e colocar as vestimentas, é a hora do saltar!

Passo 5: o voo no simulador de queda livre

Uma vez que tudo esteja pronto, basta ficar na porta do simulador e aguardar sua vez. Ao entrar no túnel de vento são necessários ajustes iniciais de posicionamento, sempre com o suporte total do instrutor, até que haja estabilidade suficiente para o voo fluir.

O primeiro voo é uma sensação única, o corpo está reconhecendo novas sensações e por isso é normal ter menos controle dos seus movimentos. Já no segundo voo, a pessoa começa a ter uma percepção maior do seu corpo no vento e por isso consegue se concentrar mais. Portanto, é normal que a falta de prática faça tudo parecer um pouco confuso.

Passo 6: voo realizado e experiência alcançada!

Com o posicionamento ideal atingido, é hora de voar. O salto na Wind up dura 1 minuto e meio, diferentemente de outros lugares que têm um tempo menor. Nesse tempo todo é importante curtir o momento, se adaptar o máximo possível e, é claro, deixar que as sensações boas tomem conta do corpo.

Agora que você já conhece os 6 passos para realizar um voo em um simulador de queda livre, é hora de praticar mais vezes para ficar craque no paraquedismo indoor. É mais fácil do que parece e você com certeza terá uma lembrança incrível para compartilhar com todos!

Aproveite para compartilhar esse momento com os amigos e convide-os para viver essa experiência única no Wind up com você!

Por |2018-11-12T14:28:08+00:0013 de novembro de 2018|Paraquedismo|Comentários desativados em Como funciona um simulador de queda livre? Entenda em 6 passos